quinta-feira, 29 de setembro de 2016

COMENTÁRIO SCARCELA JORGE - QUINTA-FEIRA, 29 DE SETEMBRO DE 2016

SCARCELA JORGE







COMENTÁRIO­
Scarcela Jorge

ESCÂNDALOS FORMAIS.

Nobres:
Nas últimas semanas, o Brasil tem vivido sob o impacto da Operação Lava Jato, que, em torna da qual o noticiário, na busca de uma associação ao chamado "mensalão", batizou de Petrolão. Hoje mesmo ao desencadear mais uma nova operação, capitulou o ex-ministro Antonio Palocci, o bi ministro dos governos corruptos de Lula e Dilma, como sendo os braços da esquerda e foi “destronado” de cargos ocupou ocasionado pelos escândalos vivenciados em épocas distintas neste país. Enquanto se eleva esse novo escândalo ao posto de "o maior da história", relegam outros episódios aos rodapés, os lançam um imenso Triângulo das Bermudas, reduz aos pedacinhos pelas lâminas da
corrupção. Seria ótimo, se hipocrisias à parte, o problema do Brasil se resumisse apenas a uma briga entre "bonzinhos" e "malvados". Está claro que temos aqui, como ocorre em muitíssimos países, bandidos recebendo propinas no desvio de verbas públicas, atuando como "operadores" e facilitadores no trabalho de tráfico de influência, no superfaturamento e na lavagem de dinheiro e envio de recursos para o exterior. E claro está também que existem empresários acostumados, com o tempo, a pagar ou a ser extorquidos, a cada obra, a cada licitação, a cada aditivo de contrato, pelos "intermediários" e oportunistas de sempre, e que já sofrem sucessivas paralisações, atrasos e adiamentos nas grandes obras que executam que ocorrem devido a razões que muitas vezes escondem interesses políticos que nem sempre correspondem aos do próprio país e da população. E padecemos, finalmente, ainda, da falta de coordenação e entendimento, entre os Três Poderes da República, em torno dos grandes problemas nacionais. Leis, projetos e obras que são essenciais para o futuro do país, não são discutidas previamente entre Executivo, Legislativo e Judiciário, antes de ser encaminhado para aprovação e execução, o que acaba levando, nos dois primeiros casos, a relações de pressão e contrapressão que acabam descambando no fisiologismo e na chantagem e que afetam, historicamente, a própria governabilidade. Na contramão do que imagina a maioria das pessoas, com algumas exceções, ao contrário dos corruptos e dos "atravessadores", os homens públicos incluindo aqueles que trabalham abnegadamente pelo bem comum estão muito mais preocupados com o poder, para executar suas teses, idéias e projetos, ou apenas exercê-lo, simplesmente, do que com o dinheiro. No embate político, ter recursos que às vezes chegam de origem nem sempre claramente identificada, pelas mãos de "atravessadores" que se oferecem para "ajudar" é essencial, para conquistar o poder, na disputa eleitoral, e nele manter-se, depois, ao longo do tempo. Esse é o elemento mais importante da equação. E ele só começará a ser resolvido se houver uma reforma política que proíba, definitivamente, a doação de dinheiro a agremiações políticas e candidatos a cargos eletivos, promova a cassação automática de quem usar caixa dois e aumente a fiscalização do uso dos recursos partidários ainda durante o período de campanha. Nas cidades mais distantes das regiões brasileiras incluindo o nordeste governista há uma pálida fiscalização e até ausente dos mecanismos que se entende como a Justiça Eleitoral e que nos transparece que este lado da sociedade vivencia um PT, aliados e alugados, que predomina todas as ações. A gravidade desta situação coloca em risco a imagem de empresas modestas e até as mais importantes do país. Mas por mais que sejam importantes, e impactantes, as prisões dos corruptos envolvidos no escândalo da Petrobras, a moça mestra para incorrer o vilão dos corruptos e a recuperação dos recursos desviados, se não for feita uma reforma política, de fato, elas não impedirão que mais escândalos ocorram, no financiamento de novas campanhas, o exercício do Caixa 2 presente em todos os municípios preliminarmente comprovadas nos cruzamentos de dados da Receita Federal e entes institucionais  no decorrer desta campanha eleitoral, segundo fontes que no cotidiano estão divulgando.
Antônio Scarcela Jorge.

CEARÁ, A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA COM INTERAÇÃO







NO CEARÁ TEM DISSO SIM.

PF cumpre mandados contra desembargadores e advogados no CE.

Busca e apreensão ocorre no TJ, residências e escritórios.

Há 24 mandados de condução coercitiva e 19, de busca e apreensão.

A Polícia Federal cumpre, nesta quarta-feira, (28), 24 mandados de condução coercitiva, que é quando a pessoa é levada para depor, e 19 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

As buscas fazem parte da segunda fase da Operação Expresso 150. 

A ação de hoje aprofunda as investigações sobre um esquema de venda de decisões judiciais no Tribunal de Justiça do Ceará.

De acordo com a Polícia Federal, 14 advogados, dois desembargadores da ativa e um desembargador aposentado são alvos nesta fase. 

As buscas ocorrem nas residências dos investigados, escritórios de advocacia e em dois gabinetes de desembargadores do Tribunal de Justiça do Ceará.

As ordens de busca e condução (comparecimento) dos investigados foram determinadas pelo Ministro Herman Benjamin, que acatou parte da representação proposta pela Polícia Federal, ante os firmes indicativos de conluio entre advogados e desembargadores visando às liberações de criminosos, através da concessão de liminares em habeas corpus impetrados principalmente durante os plantões judiciais.

Os núcleos criminosos foram revelados a partir da análise dos materiais apreendidos na 1ª fase da operação, deflagrada em junho de 2015, que apontou "fartas evidências"., segundo nota da Polícia Federal, sobre as negociatas das decisões.
Bloqueio de contas.

Além dos mandados de busca e apreensão e condução, houve a determinação de bloqueio das contas de um desembargador aposentado e um advogado envolvido nas ilicitudes, considerando o montante do valor transacionado indevidamente em torno de decisões atípicas, que beneficiaram mais de 300 pessoas com a inclusão nos quadros da Administração Pública, no cargo de soldado da Polícia Militar do Estado do Ceará, entre 2011 e 2012, sem que fossem devidamente aprovadas no concurso público.

Os crimes investigados são associação criminosa, corrupção passiva, tráfico de influência, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Cento e dez policiais federais participam da operação. Todos os investigados deverão prestar depoimento e após serão liberados.

Tribunal crê em transparência.

Em nota a Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará disse que foi comunicada pelo Superior Tribunal de Justiça a respeito de decisões judiciais que envolvem membros da Corte e viabilizou todos os procedimentos necessários ao cumprimento das referidas decisões, pautando-se, como dever ser, pela transparência e pelo respeito à ordem constitucional.

O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará informou que as decisões judiciais e as investigações possuem caráter sigiloso, razão pela qual o acesso aos fatos e às pessoas envolvidas encontra-se restrito às partes e aos respectivos advogados.

Leia nota da OAB-CE  na íntegra.

"Em razão da deflagração, na manhã desta quarta-feira (29), da segunda fase da Operação Expresso 150, na qual 14 advogados foram conduzidos coercitivamente para prestar depoimento na Polícia Federal, a Ordem dos Advogados do Brasil – Secção do Ceará (OAB-CE) reafirma seu compromisso com a probidade  administrativa e o exercício ético e altivo da advocacia, ao tempo em que se dispõe no âmbito de sua alçada, a contribuir com os trabalhos investigativos, apurando com rigor e respeito aos cânones constitucionais da defesa ampla, bem como, eventuais desvios de conduta praticados por advogados.

A Ordem salienta também que acompanha a operação contribuindo para o estrito cumprimento legal e regular das investigações, bem como pela defesa das prerrogativas dos advogados e do Estatuto da OAB (Lei nº 8.906/94)".
Fonte: G1 – DF.

MEDIDAS PRIORITÁRIAS









PLANALTO QUER APROVAR PEC DOS GASTOS PÚBLICOS E ADIA REFORMA DA PREVIDÊNCIA.

“Esse será o grande enfrentamento do governo, considero que esse seja o Plano Real do presidente Michel Temer”.

No primeiro encontro com líderes da Câmara dos Deputados no Palácio da Alvorada após o impeachment, o presidente Michel Temer fez hoje (27) um apelo para que a base aliada dê celeridade na apreciação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos para os próximos 20 anos.

Por outro lado, para facilitar a análise e aprovação da matéria, o governo desistiu de enviar ao Congresso esta semana, como havia prometido, a reforma da Previdência.

“Fomos atropelados por alguns eventos, inclusive a eleição deste domingo”, justificou o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, sobre o projeto de reforma da Previdência.

O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), líder do SD, um dos primeiros a deixar o encontro, disse que o governo entendeu que não dá para aprovar duas questões importantes ao mesmo tempo na Câmara.

“O governo precisava tomar um rumo, decidir assunto por assunto. Se o assunto mais importante para o Brasil é aprovar o teto para que a gente possa sair do buraco, não dá para enfiar outro assunto agora. A gente vinha falando isso ao presidente Temer e felizmente hoje o Brasil tomou rumo, disse.

PEC dos Gastos Públicos.

Os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Fazenda, Henrique Meirelles, fizeram apresentações aos deputados, com um alerta sobre a gravidade da situação econômica do país e as conseqüências negativas, especialmente em relação à credibilidade do país perante os agentes econômicos, caso a PEC não seja aprovada.

“Esse será o grande enfrentamento do governo, considero que esse seja o Plano Real do presidente Michel Temer”, disse Paulinho da Força. Além de ministros e líderes partidários, participaram do jantar os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Vieira Lima disse que o cronograma apresentado na reunião prevê que a proposta seja colocada em votação no plenário da Câmara entre os dias 10 e 11 de outubro.

Sem prever um prazo específico, porém, o ministro disse que o desejo do governo é que até outubro a PEC seja aprovada.

Apoio.

O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), disse que os partidos da base aliada manifestaram apoio à PEC. 

“Seja qual for o cronograma, as bancadas dos partidos que compõem a base do governo estão dispostas a votar”, disse.

Paulinho da Força disse que os partidos governistas vão trabalhar intensamente pela aprovação.

“A ideia agora é tocar fogo e jogar todo o esforço nessas duas próximas semanas, o presidente colocou os ministros à disposição da Câmara para esclarecer pontos da PEC”, disse Paulinho.

Estados fora da PEC.

O relator da proposta na Câmara, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), garantiu que a PEC  original não será alterada para impor o limite de gastos públicos para os estados. 

Segundo ele, as unidades da federação têm mecanismos para controlar o aumento das despesas.

Os estados não estavam e não estarão na PEC.

Os estados têm mecanismos suficientes pela Lei de Responsabilidade Fiscal para fazer seus ajustes”, disse.

O deputado destacou a importância da limitação dos gastos como forma de superação da crise.

“É preciso aprovar a PEC. A penúria fiscal é enorme e o Brasil precisa de um novo regime fiscal. 

Será uma mobilização liderada pelo presidente da Câmara e pelo presidente Michel Temer”, disse Perondi.

Reforma da Previdência.

De acordo Geddel Vieira Lima, o Planalto continua com a decisão “irreversível” de encaminhar a reforma da Previdência. 

O ministro frisou, porém, que não foi possível dialogar com as centrais sindicais. 

O adiamento evita que o projeto seja enviado “goela abaixo” e que o governo seja acusado de autoritarismo.

Vamos a partir de a próxima semana tentar agilizar o mais rapidamente possível a questão desses encontros, colocar a reforma e aí encaminhar para o Congresso Nacional.

Acho pouco provável que nesses três dias até o fim desta semana nós tenhamos tempo de trazer aqui centrais sindicais, empresários e líderes mais uma vez, argumentou o ministro.

Viera Lima explicou que uma versão inicial da reforma da Previdência já foi apresentada ao presidente Michel Temer, que pediu “ajustes” e terá acesso ao texto atualizado até esta quinta-feira (29).

Segundo ele, o governo pretende reunir entre terça e quarta-feira da semana que vem os representantes dos trabalhadores.
Fonte: Agência Brasil.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

COMENTÁRIO SCARCELA JORGE - QUARTA-FEIRA, 28 DE SETEMBRO DE 2016

SCARCELA JORGE







COMENTÁRIO­
Scarcela Jorge

CONCEITO REAL DA SOCIEDADE POLÍTICA.

Nobres:
Em tempo mais que necessário urgimos recapitular as gigantes manifestações desde as primeiras vivenciadas no ano de 2014 constituem um bom exemplo da interferência do mundo na cultural política e trazem a tona movimentos que parecem questionar os regimes de governança e o sistema de representação política que administram o estado e arbitram os interesses dos diversos segmentos que compõe sua população. Por estes atos e uma das causas o Brasil fala da superação da extrema desigualdade social, da histórica desigualdade de oportunidades seguramente, fala, também, da superação de uma desigualdade que, à revelia do avanço na redistribuição de renda ocorrida na última década, tem se intensificado, qual seja, a de autonomia para se inserir e atuar, na condição de sujeito, no universo técnico-comunicacional que vem definindo a produção das relações em nossos dias. Em que medida o projeto de ensino do coletivo escolar dialoga com esses desafios. A cultura de nossa gente reúne umbilicalmente a escola que permanentemente está lendo e pensando esses fenômenos aliado ainda a comunicação e a informática que  prescindem delas o maior grau de conscientização política e a interação de responsabilidade. Os indivíduos anseiam por maior participação e a sofisticada comunicação em rede disponível parece reconstruir, em nossos dias. Porém, a presença nela exige de cada um de nós o exercício da atitude voluntária e ética indispensáveis a uma sociedade de massa que pretende ser democrática inclusiva e participativa. Parece que definitivamente saímos do projeto de nação centrado em princípios míticos para outro dedicado à construção de coletivos que tem no indivíduo e seus desejos o foco da atuação. O Estado e muitas das suas velhas instâncias de arbitramento começam a demonstrar incapacidade de lidar com as "realidades" mais recentes, apresentam mesmo sinais de cansaço diante de tantas e singulares demandas e as lacunas deixadas estão sendo ocupadas por intervenções no mínimo perigosas. A recente manifestação sobre a introdução da ampliação de nova metodologia do ensino médio ainda a ser discutida por todos os segmentos ainda reveladas pela união, gerou protestos aqui no nosso Estado do Ceará, de origem da Secretaria de Educação do Estado, que no estilo “cidista e cirista” qualificou como sendo retrocesso na educação do país. Teria que ser o Ceará, um estado de subserviência ao governo permanente, não importa que seja este ou ele!  O governador revelou o mais midiático exemplo de como a ignorância atua, com ampla legitimidade, sempre que a própria sociedade parece não se reconhecer nos seus signos e instrumentos de justiça e parece mesmo acreditar não tê-los. Sabemos que o maior instrumenta de ação que é a escola efetivamente não poderá fazer, sozinha, esse debate, mas pouquíssimas instituições em nossos dias têm a legitimidade e a obrigação de fazê-lo, e dar a direção deste projeto e, por isso a escola que abriga a maioria absoluta dos jovens brasileiros, dependendo da formação da idéia que propor para si, poderá definir um dos caminhos a ser seguido pela nação.
Antônio Scarcela Jorge.

QUEM É QUE FALA PELO GOVERNO - DECLARAÇAO DO MINISTRO DESCONECTADA







DECLARAÇÃO DO MINISTRO DA JUSTIÇA IRRITA MICHEL TEMER.

O Presidente ouve explicação de Moraes e dá episódio por superado, diz Planalto.

No domingo, ministro disse que nesta semana haveria 'mais' Lava Jato.

A Secretaria de Imprensa informou nesta terça-feira (27) que o presidente da República Michel Temer conversou por telefone com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ainda nesta segunda (26) e ouviu as explicações do ministro sobre recentes declarações envolvendo a operação Lava Jato.

Segundo a assessoria de Temer, após a conversa entre os dois, o presidente considerou o episódio superado.

No domingo (25), em encontro com representantes do Movimento Brasil Livre (MBL), em Ribeirão Preto, no interior, cidade administrada Palocci em dois mandatos, Moraes sugeriu que esta semana haveria nova fase da Lava Jato.

Na segunda, a Polícia Federal deflagrou a 35ª fase da operação e prendeu o ex-ministro da Casa Civil e da Fazenda Antonio Palocci, do PT, sob suspeita de favorecer a Odebrecht durante os governos petistas.

As declarações de Moraes geraram repercussão negativa para o governo nesta segunda.

Na avaliação dos parlamentares que fazem oposição ao governo Temer, por exemplo, o ministro da Justiça antecipou a operação ao cumprir uma agenda no fim de semana e passou a mensagem de que o governo peemedebista está interferindo nas investigações.

A ligação.

Inicialmente, Temer pretendia conversar pessoalmente com Moraes nesta segunda, mas, como o ministro estava em São Paulo, auxiliares dos dois informaram que a reunião poderia ser realizada nesta terça. 

Apesar disso, os dois acabaram se falando por telefone ainda na segunda, quando o ministro deu explicações ao presidente.

Segundo o Palácio do Planalto, no telefonema, Alexandre de Moraes disse a Temer que sua declaração não foi no sentido de antecipar uma possível nova fase da operação, mas, sim, com o intuito de reforçar que a operação seguirá com as investigações.

Conforme a Secretaria de Imprensa, Temer e Alexandre de Moraes se encontrarão na noite desta terça, no Palácio da Alvorada, onde o presidente da República oferecerá um jantar a ministros e a líderes de partidos que compõem a base aliada na Câmara dos Deputados.

Ministros e a Lava Jato.

Desde maio, três ministros de Temer deixaram o governo por episódios relacionados à Lava Jato.

O senador Romero Jucá (PMDB-RR), investigado na operação, por exemplo, comandava o Ministério do Planejamento e pediu exoneração após o jornal “Folha de S. Paulo” divulgar uma conversa dele na qual o peemedebista sugeria um “pacto” contra a operação.

Além dele, o então ministro da Transparência, Fabiano Silveira, também deixou o cargo em maio após a TV Globo revelar uma conversa na qual ele criticava a condução das investigações da Lava Jato pelo Ministério Público Federal.

Outro ministro a cair foi Henrique Alves (PMDB-RN), ex-titular do Turismo. 

Segundo o peemedebista, investigado na Lava Jato e citado em delação premiada, resolveu pedir exoneração após receber a informação de que investigadores haviam descoberto uma conta secreta dele na Suíça, o que Alves nega.
Fonte: G1 – DF.

PERSONALIDADES DA LADROAGEM DESTE BRASIL








PGR DEVE COBRAR DE POLÍTICOS PREJUÍZO CAUSADO POR DESVIOS NA PETROBRAS.

Teori autorizou o compartilhamento de provas contidas em inquéritos abertos no STF.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o compartilhamento de provas contidas em 13 inquéritos abertos na corte para apurar supostos crimes cometidos por políticos no esquema de desvios de dinheiro da Petrobras.

O Ministério Público Federal vai entrar com ações civis na justiça para pedir o ressarcimento ao erário de recursos públicos desviados no esquema revelado pela Operação Lava-Jato.

Entre os políticos que serão cobrados estão os senadores Fernando Collor (PTC-AL) e Benedito Lira (PP-AL), além da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e do marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo.

Também estão no grupo os deputados Nelson Meurer (PP-PR), Aníbal Gomes (PMDB-CE), Vander Loubet (PT-MS) e Arthur Lira (PP-AL), além do ex-deputado João Pizzolatti (PP-SC).

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o compartilhamento de provas contidas em 13 inquéritos abertos na corte para apurar supostos crimes cometidos por políticos no esquema de desvios de dinheiro da Petrobras.

O Ministério Público deverá usar esses documentos para instruir as ações civis.

O pedido de compartilhamento de provas foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. 

Na decisão, Teori ressaltou que os documentos sigilosos devem manter essa condição. No fim de agosto, Teori autorizou o compartilhamento de provas contidas em nove inquéritos da Lava-Jato com a Advocacia-Geral da União (AGU).

A AGU também tinha pedido acesso aos documentos para ingressar com ações cíveis na justiça pedindo o ressarcimento de dinheiro supostamente desviado da Petrobras.

O prejuízo para os cofres públicos ainda não foi contabilizado pelos investigadores, mas levantamento do GLOBO nos inquéritos mostra que o grupo teria subtraído ao menos R$ 366,5 milhões da estatal.

O dinheiro poderá ser cobrado com juros e correção monetária.
A maior fatia desse total é creditada a parlamentares do PP, que teriam embolsado R$ 357,9 milhões em recursos de contratos de empreiteiras com a Petrobras.
Fonte: G1 – DF.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

COMENTÁRIO SCARCELA JORGE - TERÇA-FEIRA - (20 HORAS) - 27 DE SETEMBRO DE 2016

SCARCELA JORGE








COMENTÁRIO­
Scarcela Jorge

SINTETIZANDO O RÁDIO COMPLETAMOS À CHARLES GOMES UM RADIALISTA POR REFERÊNCIA.

Nobres:
Recentemente se prestaram as mais significativas homenagens ao “Dia do Radialista” profissional vocacionado para o bem servir a população maciça do rádio brasileiro onde se faz maioria absoluta, pelo seu alto poder  de conscientização e formador de opinião.  Por esta razão vivenciamos no rádio uma história marcante, seqüenciada com a implantação da Radio Difusora de Nova-Russas, em dezembro de 1989, graças ao pioneirismo do empresário e comendador  Luis Aguiar Vale, um impar meritório do rádio do Estado que através de suas ondas sonoras em amplitude modulada irradiava esta cidade para os rincões da região nordeste do país, tornando-se há poucos anos o referencial de emissora de rádio na região e quiçá, no interior de nosso Estado. Não somente as máquinas do rádio proclamadas “pela mania de fazer bem feito” através de suas estruturas edificações da antiga Rádio Difusora de Nova-Russas, e de igual, presentemente a Vale FM, através de suas suntuosas instalações na Rua Padre Francisco Rosa, no Centro desta cidade. Mas a enorme capacidade em promover a autêntica escola do rádio, priorizando os recursos humanos todos de origem desta cidade, formando um celeiro de profissionais, que alcançaram êxito nos mais diversificados veículos de comunicação do Estado e do País. Surgiram e ainda abrolha locutores (homens e mulheres) de competência comprovada o longo desse labor. 

Por este lado, ocasionado as honrarias que se destinou para o radialista e no plano evidentemente local onde quase todos são nossos amigos leais, fazemos referência a Charles Gomes, embora não seja das origens, alcançou os méritos ao aportar aqui, nos idos da década de 90, como apresentador do “Programa Sertão Brasil” sempre com estilo inovador de se irradiar para os nossos ouvintes. Com a inauguração da Radio Vale FM, como prova incontestes de sua personalidade, foi reconduzido ao seu lugar pelo meritório Luis Aguiar Vale para apresentar o mesmo programa na Vale FM. Ressaltamos em amplitude nacional, a classe do radialista, cuja essência se presta homenagem desde sua formação, todo profissional da comunicação se enquadra como radialista, seja jornalista, e apresentador de TV como informantes de um veículo que cientifica, diverte e educa.   o idealismo não é o suficiente, existe a necessidade do talento. Como bons Radialistas espalhados pelo Brasil, o Rádio é hoje rico, oferecendo boas opções para aquele que merece todo o nosso respeito: o ouvinte. O Radialista é um sonhador, um apaixonado que faz parte do cotidiano das pessoas. Radialistas nos transmitem o reflexo do mundo e de nossas atitudes nos fazem ouvir o que todos têm a dizer. Uma voz que denuncia, informa e diverte o ouvinte, com agilidade e credibilidade. O rádio é a unificação de pensamentos, atos e ações.
Antônio Scarcela Jorge.

COMENTÁRIO SCARCELA JORGE - TERÇA-FEIRA, 27 DE SETEMBRO DE 2016

SCARCELA JORGE







COMENTÁRIO­
Scarcela Jorge

DOMINADORES DA CORRUPÇÃO.


Nobres:
Na descomedida desmoralização a sociedade ética política que se concentra pela quase unanimidade do povo brasileiro, massacrada pela minoria dos políticos corruptos e generadamente ladrões do erário que alimentados pela imensa carga tributária, onde são obrigadas a contribuir com impostos e taxas algumas - “tri faturado” - em prol desta gente. A obliqüidade central para sociedade está insurgente pela classe política é uma falta imoral, reincidente, que precisa ser combatida. Todo mundo sabe que a maior roubalheira pode partir em função dos partidos políticos e empreiteiras que foram coordenadas pelos ex-ministros, que resvala em prisões como agora d9os Senhores Guido Mantega, e Antônio Palocci, um “PHD” em corrupção sob a batuta de Lula, um “senhor” enganação e da mentira, que contraditoriamente “um larápio” transformado pela sociedade insana, constituída de anarquistas de ideologia continental, “que capengam” nas republiquetas da América do Sul, simpatizados no Castrismo que impera a mais extensa ditadura do globo.   Dentro desses aspectos em termos Brasil, há elementos que se associam aos diretórios executivos, nacional, regional (dos Estados e DF) e os municipais estando o verdadeiro vilão para se estabelecer através dos fundos partidários. Por incrível, hoje está sistematizada na legislação eleitoral e, precisava dizer que estamos no Brasil, onde atos escusos se consolidam como normas do país. O desvio do exercício político macula a seriedade parlamentar e contribui para a corrupção política do fisiologismo espúrio tão candente na relação Governo e Parlamento. O eleitor tem que ter noção, antes de vender a sua própria consciência para não poder continuar sendo tratado como peça descartável, só lembrado para eleger candidatos. O eleitor é o principal agente da democracia, pois, sem o seu voto, no estado democrático, não existe Parlamento e nem Governo. No Brasil, em diversas áreas, têm muitos cidadãos preparados. Por este lado, a meritocracia deveria ser um lema na administração pública. Pôr fim às indicações políticas para cargos nos governos é uma necessidade e caracteriza princípio de moralidade. Incluamos no País, um serviço público, baseado no mérito, e que garanta serviços de qualidade sem favorecimento político. O balcão de negócio espúrio, o fisiologismo carcinomatoso do toma lá, dá cá, a distribuição de cargos a partidos políticos têm que acabar em nome da decência política. Essa prática perniciosa só tem contribuído para o descrédito dos partidos e comprometimento da imagem do Parlamento e do Executivo. O eleitor brasileiro deveria ser implacável com político que desobedece o mandato. Em verdade, os nossos políticos estão mal-acostumados com a falta de cultura política e a omissão dos cidadãos que não cobram dos eleitos o cumprimento de fiel e integral do mandato e, se cobram, em sua maioria, os corruptos sentem-se desobrigados em vez que as negociatas do voto, próprios dos costumes desta gente.
Antônio Scarcela Jorge.

O BRASIL ÉTICO
















MORO DECRETA BLOQUEIO DE ATÉ R$ 128 MILHÕES DA CONTA DE PALOCCI.


Medida também é válida para mais dois presos e duas empresas.

Grupo é alvo da 35ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta segunda (26).

O ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci, que foi preso nesta madrugada como parte da 35ª fase da operação Lava Jato.

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, decretou o bloqueio nas contas bancárias do ex-ministro Antônio Palocci (PT), de Branislav Kontic, que atuou como assessor do ex-ministro e do ex-secretário da Casa Civil Juscelino Antônio Dourado de até R$ 128 milhões. 

O valor do bloqueio é para cada uma das contas. Os três investigados foram presos temporariamente na 35ª fase da Lava Jato, deflagrada na manhã desta segunda-feira (26), e que foi batizada de Operação "Omertà".

O prazo da prisão tem prazo de cinco dias e pode ser prorrogado pelo mesmo período ou convertido em prisão preventiva, que é quando o preso fica detido por tempo indeterminado.

A mesma medida de bloqueio também é válida para as contas das empresas Projeto Consultoria Empresarial e Financeira Ltda e J& F Assessoria Ltda, que também foram citadas na atual fase. 

A decisão está no despacho em que Moro autorizou o cumprimento dos mandados judiciais.

"Observo que a medida ora determinada apenas gera o bloqueio do saldo do dia constante nas contas ou nos investimentos, não impedindo, portanto, continuidade das atividades das empresas ou entidades, considerando aquelas que eventualmente exerçam atividade econômica real. 

No caso das pessoas físicas, caso haja bloqueio de valores atinentes a salários, promoverei, mediante requerimento, a liberação", destacou o juiz.

A atual fase apura a relação entre o Grupo Odebrechet e Palocci. 

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), há evidências de que o Palocci e Branislav receberam propina para atuar em favor da empreiteira, entre 2006 e o final de 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal.

O ex-ministro também teria participado de conversas sobre a compra de um terreno para a sede do Instituto Lula, que foi feita pela Odebrecht.

Conforme planilha apreendida durante a operação,= identificou que entre 2008 e o final de 2013, foram pagos mais de R$ 128 milhões ao PT e seus agentes, incluindo Palocci. 

Remanesceu, ainda, em outubro de 2013, um saldo de propina de R$ 70 milhões, valores estes que eram destinados também ao ex-ministro para que ele os gerisse no interesse do Partido dos Trabalhadores", diz o MPF.

As investigações da PF e MPF apontam que Palocci e a Odebrecht negociaram:

- Esforços para aprovação para o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 460/2009, que resultaria em benefícios fiscais para a empreiteira;

- Aumento da linha de crédito junto ao BNDES para Angola, país com o qual a empresa tinha relações comerciais;

- Interferência em licitações da Petrobras para aquisição de 21 navios sonda para exploração da camada pré-sal;

- Favorecimento de negócios envolvendo programa de desenvolvimento de submarino nuclear (Prosub).

Ainda conforme a PF, outro núcleo da investigação apura pagamentos efetuados pelo chamado “setor de Operações Estruturadas” da Odebrecht para diversos beneficiários que estão sendo alvos de mandados de busca e de condução coercitiva.

Planilha de propinas.

De acordo com o MPF, a planilha apreendida mostra valores ilícitos repassados a Palocci tanto em período de campanha quando fora dele.

A planilha era chama de “Posição Programa Especial Italiano” e usava segundo investigados, o termo “italiano” como codinome para se referir ao ex-ministro.

"A análise das anotações registradas nesta planilha aponta para o fato de que grande parte dos valores utilizados para o pagamento das vantagens indevidas se originou da Braskem, empresa petroquímica que possui diversos contratos com a Petrobras", diz o MPF. 

O Ministério Público afirma que alguns dos valores registrados ainda precisam de maior apuração para identificar a quais fatos estão relacionados.

Terreno do Instituto Lula.

"As provas até agora colhidas apontam que, além dos pagamentos realizados em favor de Monica Moura e João Santana marqueteiros de campanha no interesse do Partido dos Trabalhadores, os subornos repassados a Antonio Palocci também envolveram a aquisição do terreno inicialmente destinado à construção da nova sede do Instituto Lula, referido na planilha pela rubrica “Prédio (IL)”, afirma o MPF. A empreiteira comprou o terreno avaliado em R$ 12 milhões, segundo laudo revelado em maio deste ano.

Investigadores dizem que Antonio Palocci participou de reunião com Marcelo Odebrecht e Roberto Teixeira, e receberam, por intermédio de Branislav Kontic, documentos encaminhados via e-mail pelo presidente do grupo empresarial, relacionados à compra do terreno (em mensagens sob o título “Prédio Institucional”, “Prédio do Instituto” e planilha intitulada.

Outra prova analisada, segundo o MPF, se refere à minuta de contrato do terreno encontrada no sítio usado pelo ex-presidente Lula, em que constava o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, como o comprador, e representado por Roberto Teixeira.

Em depoimento, Bumlai afirmou que se recusou a figurar como comprador do imóvel, tendo sido, de fato, identificado que a compra se deu em favor de pessoas vinculadas à Odebrecht.
O que dizem as defesas.

O advogado de Palocci, José Roberto Batochio, disse que a Lava Jato "parece um espetáculo".

“O show tem que continuar. O circo tem que continuar”, afirmou. Batochio também estranhou o fato de o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ter anunciado no domingo (25) que haveria Lava Jato nesta semana.

“O fato de ele anunciar em um encontro do PSDB que haverá novas diligências não é estranho. Aécio [Neves] denunciado, Anastasia denunciado, Serra. 

Por que será que anunciou no evento?” Para Batochio, “as liberdades constitucionais foram seqüestradas em Curitiba”. “Ninguém faz nada. 

Um silêncio absoluto”, disse.

"Não sabemos a acusação, pois ela é até o presente momento absolutamente secreta ao melhor estilo da ditadura militar. Você não sabe de nada, não sabe o que está sendo investigado, um belo dia batem à sua porta e o levam. 

De modo que nós estamos voltando ao velho tempo do autoritarismo, da arbitrariedade. 

Qual a necessidade de se prender uma pessoa que tem domicílio certo, que é médico, que foi duas vezes ministro, que pode dar todas as informações quando for intimado. É por causa do espetáculo?", questionou Batochio.

O G1 tenta contato com os advogados dos demais investigados.
Fonte: G1 – PR.

comentário:

O PALHAÇO ÉS TÚ, ADVOGADO BARTOLO - NÃO DÁ PRÁ ENGANAR O POVO ÉTICO DO BRASIL. ! 

JOSÉ ROBERTO BARROS
 BRASÍLIA - DF.